Back Amazonas Geral Prefeitos do interior do Amazonas aproveitam conforto em casas na capital

Prefeitos do interior do Amazonas aproveitam conforto em casas na capital

  • PDF

alt
MANAUS - Ao menos dez prefeitos do interior do Estado do Amazonas são donos ou utilizam confortáveis residências em Manaus. Algumas estão em endereços de luxo. Entre os imóveis identificados pelo DIÁRIO, quatro ficam no bairro Ponta Negra e outros dois no Conjunto Adrianópolis, regiões nobres da capital. O preço das mansões chega a R$ 900 mil. O prefeito de Codajás, Agnaldo Dantas (PMDB), é um deles. Quando vem a Manaus, ele fica em um apartamento no Condomínio Residencial Beethoven, localizado na Ponta Negra. Segundo a assessoria de Dantas, o apartamento é alugado. “O prefeito possui um apartamento no nome dele, mas é no Residencial Ilhas Gregas, também na Ponta Negra”. A assessoria ainda informa que Dantas só vem a Manaus quando necessário.
O Residencial Beethoven tem uma ampla vista para o Rio Negro e elevador panorâmico. Para esse conforto, os moradores pagam R$ 1 mil de condomínio. O apartamento está avaliado em pelo menos R$ 900 mil, segundo o Sindicato dos Corretores de Imóveis (Sindimóveis). Como prefeito, Dantas recebe R$ 13.500,00 por mês, conforme o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM). A situação do prefeito contrasta com o município que ele governa. De acordo com o Censo 2010, 48% dos 23.119 habitantes de Codajás possuem renda inferior a um quarto do salário mínimo.
Raimundo Nonato da Silva, prefeito de Careiro da Várzea pelo PMDB, tem um apartamento no Residencial Parque dos Franceses, zona centro-sul. De acordo com a declaração de bens de 2008, o imóvel custa R$ 120 mil. Funcionários do lugar informaram que o prefeito passa os fins de semana com a família em Manaus.
O prefeito de Parintins, Bi Garcia (PSDB), possui um imóvel no Conjunto Vieiralves no valor de R$ 280 mil. Segundo a assessoria dele, o imóvel é usado como sede da representação do município.
Mitouso se abriga em condomínio
Quando está em Manaus, o prefeito de Coari, Arnaldo Mitouso (PMN), fica em uma residência no Condomínio Residencial Forest Hill, localizado na Avenida Torquato Tapajós, zona norte de Manaus. Ele informou que a casa é cedida, mas vai começar a pagar aluguel pela utilização do imóvel. Ele ainda negou possuir outro bem na capital. “Estou há pouco tempo na prefeitura, ainda vou planejar o que fazer com relação ao imóvel”. Mitouso disse que constuma vir a Manaus duas vezes por mês. Segundo o TCE-AM, o salário de prefeito de Coari é de R$ 22 mil - um dos maiores do Estado.
Nas indas e vindas a Manaus, no  dia 6 de agosto, Mitouso foi alvo de um atentado nas vias da capital. Ferido com um tiro, ele relatou à polícia que retornava, em um automóvel modelo Hilux, de um jantar na Torquato Tapajós.
Com 75.965 habitantes, Coari é o terceiro maior município do Amazonas. O Produto Interno Bruto (PIB) da cidade chega a R$ 1.562.631.468,00. Ainda assim, apenas 36,1% da população coariense vive acima da linha da pobreza. Outros 38,8% dos habitantes precisam viver com R$ 136,25 por mês, segundo o Censo. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da cidade é 0,627. Mitouso assumiu a Prefeitura em 2009, após eleições suplementares.
Residências contrastam com pobreza de municípios
Outros prefeitos utilizam até dois imóveis em Manaus.
O prefeito de Urucará, Fernando Falabella (PMDB), possui duas residências no Condomínio Alpha Garden, no Parque das Laranjeiras. Segundo a declaração de bens apresentada em 2008, uma das residências está avaliada em R$ 650 mil e a segunda, em R$ 400 mil. A Prefeitura rende a Falabella um salário de R$ 10.375,00.
De acordo com funcionários do condomínio de luxo, o prefeito constuma passar bastante tempo na casa em Manaus. “Sempre tem carro na garagem”, disse um deles. Urucará fica a 259,13 quilômetros de Manaus. Com 17.094 habitantes, 69,9% da população do município está abaixo da linha da pobreza. Segundo o Censo 2010, das 3.410 casas em Urucará, 1.230 nem tem banheiro.
Empresário e ex-deputado estadual, o prefeito de Manacapuru, Ângelus Figueira (PV) usa um apartamento no Edifício Castelli, na Ponta Negra. Segundo o Sindimóveis, o imóvel pode custar até R$ 800 mil. De acordo com a declaração de bens de 2008, Ângelus possui um imóvel localizado na Avenida Paraíba, no valor de R$ 165.321,00. Ele assumiu a cadeira no Executivo em 2010, após cassação do prefeito eleito Edson Bessa.
Na função, ele ganha R$ 10.375,00 por mês. A renda do prefeito de Manacapuru é bem diferente da de 59,9% dos 85.144 habitantes da cidade, que vivem abaixo da linha da pobreza e precisam sobreviver com R$ 272,5 ou até mesmo R$ 136,25 por mês.
Segundo informações apuradas pelo DIÁRIO, quando está em Manaus, o prefeito de Barcelos, Ribamar Beleza (PMDB), fica em um apartamento no Residencial Ponta Negra I, que está no nome da enteada. A assessoria do prefeito confirmou que Beleza tem casa própria na capital e está localizada no Conjunto Kíssia, no bairro Dom Pedro I, zona centro-sul.
Vizinhos em Manaus
Em Manaus, o prefeito de Nhamundá, Mario Paulain (PMDB), e o prefeito de Uarini, Togo Soares (PR), são praticamente vizinhos. Ambos possuem casas no Conjunto Adrianópolis, zona centro-sul.
Conforme a declaração de bens de Paulain, ele tem uma casa  avaliada em R$ 150 mil no conjunto de área nobre. Empregados da casa do político informaram que ele e a mulher vêm toda a semana a Manaus. Ainda de acordo com a declaração de bens, o empresário tem mais três imóveis na capital. De acordo com o TCE, Paulain ganha salário de R$ 10 mil, para administrar Nhamundá. A pobreza no município é uma das maiores no Estado. O Censo 2010 informou que 75,6% dos 18.278 habitantes vivem com menos de meio salário mínimo.
A residência de Soares é avaliada em R$ 100.882,38, conforme a declaração de bens. Vizinhos relataram que não veem o prefeito há mais de um mês e que quem vive na casa é o filho dele, Silvio. Nas Eleições de 2008, Togo declarou possuir mais de R$ 400 mil em bens.

Fonte: d24am.com